Mídias sociais nas corporações

A maioria dos campuseiros ainda estava acordando quando profissionais das agências de publicidade, comunicação, relações públicas e vários jornalistas lotaram o palco do “Campus Blog” na manhã deste terceiro dia de Campus Party para assistir o debate “Mídias sociais nas Corporações”, no palco do Campus Blog.  O tema, transversal à atuação de todos esses profissionais, começou a inquietar as empresas há pouco mais de dois anos, segundo o professor de novas tecnologias da FAAP e mediador do evento, Eric Messa.

Em uníssono, os participantes acreditam que atualmente já é necessário para a maioria das empresas entrar nos novos canais de mídia social. “Qualquer empresa que tenha foco no cliente deve estar nas redes sociais”, disse Roberto Loureiro, gerente de mídias sociais da Tecnisa, empresa que afirma ter lançado o primeiro blog corporativo do Brasil. Ainda de acordo com ele, mesmo em uma área como a Construção Civil, que não teria tanta “aderência”, os internautas admiram a forma da empresa se comunicar com os clientes e isso faz com que ao pensarem em comprar um apartamento, a marca seja lembrada de forma positiva.

Marcar presença nas redes sociais é também uma forma de aproveitar a imensa produção de conteúdo gerada na rede. Para o diretor de planejamento e atendimento da Pólvora! Comunicação, Jair Tavares, “não há empresa no mundo capaz de fazer uma produção de conteúdo como essas mídias”, mas alerta que para participar nessas mídias é necessária uma mudança comportamental nas empresas. “Hoje você não engana poucos nem por pouco tempo”, diz, “a empresa precisa ter um real valor e transmitir com clareza para o público”. Nesse sentido, debateu-se a importância de primeiro se fortalecer a comunicação interna, o alinhamento da visão interna dos funcionários sobre os valores da empresa e o envolvimento dos principais executivos com as novas mídias, para somente então iniciar o trabalho nas redes.

O debate reuniu em uma mesma mesa a teoria e a prática. Danillo Ferreira, criador do Blog “Abordagem Policial’ mostrou na prática como até mesmo as corporações mais fechadas como poderia ser a Polícia Militar, já estão antenadas para a importância das redes sociais. Danillo implantou a estratégia de redes sociais dentro da Polícia Militar da Bahia e inaugurou um novo canal de relacionamento do comando da polícia com sua tropa e sociedade em geral. De acordo com ele, a Polícia Militar baiana é a quarta corporação no Brasil com esse trabalho, realizado também pelas polícias do Rio de Janeiro, Goiás e São Paulo. “Viemos da herança da censura para agora utilizar ferramentas como mídias sociais”, conta. Atualmente o comandante chefe recebe relatórios de todos os comentários feitos sobre a corporação e estes são trabalhados no blog.

Sobre a terceirização do trabalho dessas empresas com as redes sociais para as agências de comunicação e publicidade, Wagner Fontoura, da Boombust, afirma que “mídias sociais não é um tema para ser tratado mais exclusivamente por agências de publicidade. A empresa precisa dar um passo além de ter a terceirização”. Para ele, a importância das mídias sociais no dia a dia da empresa tem que ser de responsabilidade do principal executivo da empresa e precisa ser muito bem entendida.

Brasileiros no Twitter

A popularidade do serviço de microblogs caiu nos Estados Unidos nos últimos meses, porém nos demais países a proporção é inversa. De acordo com o site ReadWriteWeb, usuários do Brasil, Indonésia e Alemanha puxaram o crescimento durante os últimos seis meses.

Segundo os dados da empresa de análise em mídia social Sysomos, os Estados Unidos representam 50% dos usuários do Twitter. O Brasil representa 8,8% – apenas 2% acima do número registrado em junho de 2009.

Entretanto, quando analisado o número total de contribuições por meio de tweets, o Reino Unido ultrapassa o Brasil: Estados Unidos lideram com 56,59% das postagens, seguido pelo Reino Unido, com 8,09%. Os tweets brasileiros chegam a 6,73% do total de postagens no serviço de microblogs.

A Sysomos analisou 13 milhões de perfis únicos, ativos entre 16 de outubro e 16 de dezembro de 2009.

Fonte: Folha Online

15 anos de Máquina

No último sábado (9), a Máquina completou 15 anos de existência. A data marca um jornada de conquistas e crescimento sem igual no mercado de agências de relações públicas no Brasil.

A data também marca uma grande mudança no posicionamento da empresa que a partir de agora passa a se chamar Máquina Public Relations. Com uma nova logomarca e uma nova identidade visual a companhia passa a focar no mercado de comunicação digital integrada.

Visite o novo site da Máquina, mande seus comentários e conheça um pouco mais desta história!

Vamos acampar?

Acampamento é coisa de aventureiro – luau, pé no mato e a natureza selvagem como cenário do duelo entre mosquitos e repelentes, certo?! Errado! De 25 a 31 de janeiro acontece a Campus Party 2010. O evento vai reunir cerca de 6 mil amantes da tecnologia, que armarão a barraca na Expo Imigrantes.

A feira tem atividades 24 horas por dia, com uma programação variada de palestras em quatro espaços temáticos: Ciência, Criatividade, Entretenimento Digital e Inovação.

O destaque do evento fica para o Momento Telefônica, hora em que as atividades paralelas se encerram para que o público aproveite as palestras de grandes nomes como Scott Goodstein, principal estrategista político da campanha de Barack Obama em 2008 e um dos nomes mais importantes da comunicação nas comunidades sociais; Kevin Mitnick, expert em segurança de computadores; e André de Moura Romani e Christian Aléssio, criadores do Twinester, ferramenta que permite aos usuários da rede de microblogging criarem e participarem de comunidades.

Quer saber novidades relacionadas à cultura digital e às diversas formas de entretenimento e atuação na web? Corre para lá!

Como usar as mídias sociais de forma estratégica

Em 2009, as mídias sociais tiveram um significativo crescimento no mercado corporativo. Esse índice é ainda mais expressivo nos países estrangeiros, principalmente Estados Unidos. No Brasil, as empresas ainda têm políticas muito restritivas quanto ao uso de redes sociais no ambiente de trabalho.

Pensando nisso, o site de tecnologia Computerworld, publicou matéria com dicas para as empresas fazerem uso adequado e eficaz das mídias sociais. Confira:

  • Monitorar a marca
    Conhecer o que é falado sobre a empresa/produto nas mídias sociais é o passo básico para entender a situação da marca na web.
  • Definir equipe e linha de comunicação
    De maneira geral, o trabalho é feito por profissionais de marketing e comunicação que sejam usuários das principais redes sociais e estejam sempre conectados. Definir um padrão para interagir nas redes também é importante, como linguagem, público-alvo, periodicidade e abordagem. Isso tudo é importante para que você tenha, por exemplo, seguidores no Twitter relevantes para a estratégica da corporação.
  • Criar os canais sociais e interagir
    É essencial que a empresa esteja onde os clientes estão, mas mais importante é o relacionamento. Ou seja, não adianta criar perfis nas redes sociais se não há interação com os internautas. É a partir disso que se criam detratores e promotores das marcas.
  • Produzir conteúdo
    Com a equipe montada, uma linha de comunicação definida, canais sociais criados e relacionamento com usuários, é necessário produzir conteúdo para estreitar relações. O grande risco nesse ponto é deixá-lo restrito ao site institucional, newsletters ou campanhas específicas.
  • Concorrência
    Explorar as ações da concorrência é uma excelente forma de enxergar oportunidades no mercado. Monitorar palavras-chave relacionadas ao negócio abre possibilidades para trabalhar esses dados, além de render pesquisas valiosas e uma nova fonte de identificação de clientes em potencial.

Pepsi faz jogada melhor que um touchdown

Investir em mídias de massa ou sociais? Esta é questão que vem causando grande dúvida nas empresas mundo afora, porém não para a Pepsi. Ela resolveu arriscar e abrir mão de investir cerca de 3 milhões de dólares em um comercial de 30 segundos do Superbowl de 2010 para investir 20 milhões em um projeto na web.

Chamado “Refresh Everything”, a ação começa no próximo dia 13 de janeiro e tem como finalidade convidar as pessoas a compartilharem ideias para um mundo melhor.

Em 1º de fevereiro, essas participações ficarão abertas para votação pública. As melhores receberão uma verba divididas em montantes de 5, 25 e 250 mil dólares. Depois dessa primeira fase, a proposta é que isso se repita mensalmente.

Apesar da excelente e ousada iniciativa, cabe aqui uma crítica: como fazer uma campanha buscando algo melhor para o mundo se apenas quem mora nos Estados Unidos pode participar? Nós, brasileiros, também queremos!

O novo mercado 2.0

A internet já é uma realidade no Brasil há pelo menos uma década, porém apenas agora as empresas estão começando a olhar com outros olhos para o público digital a ponto de criarem postos de trabalho dedicados ao relacionamento com o internauta. Esta é a conclusão da reportagem publicada na edição de janeiro da revista Você S/A.

Fernando Meirelles, professor da FGV-SP, estima que “em três anos o mercado precisará de 1 milhão e meio de profissionais em áreas diversas”. O que para muitos ainda é futuro, para Microsoft, por exemplo, já é uma realidade. A materia traz o depoimento de René de Paula, envagelista digital da desenvolvedora de softwares norte-americana.

Você se considera um profissional 2.0? Veja então alguma áreas nas quais você pode atuar:

  • Relacionamento online
  • Análise de desempenho de sites
  • Otimização de sites para mecanismos de busca
  • Publicidade alternativa