Twitter adere ao mundo Java

Por Renato Filipov

Demorou, mas chegou a hora. E antes tarde do que nunca, o Twitter resolve mudar o seu mecanismo de busca para que seja possível atender à crescente demanda pelos seus serviços. 

O microblog cresce a cada dia e fisga novos adeptos com a mesma voracidade de uma Ferrari em plena autobahn. Desde 2006, data de sua fundação, o seu formato se mantém da mesma forma – envio de mensagens curtas e (nem sempre) objetivas – o que permite uma identificação rápida de sua função, além de possuir uma curva de aprendizado quase instantânea: é se cadastrar e usar. Em 2008, estimava-se ter cerca de 4 milhões de usuários cadastrados na rede. Um ano depois, os usuários quase triplicam e saltam para 11 milhões de contas cadastradas. Mas o assombroso foi a divulgação feita em setembro de 2010, onde o censo chegou a 175 milhões de contas! 

Com essa curva exponencial de crescimento, já era notável a necessidade de uma reengenharia na estrutura, nas camadas superiores e de negócios do Twitter. O microblog cresceu tanto e tão rápido nos últimos anos que chamou a atenção do gigante Google, que por sua vez chegou a oferecer US$ 10 bilhões pela aquisição do passarinho azul. É muito dinheiro!!!! Para se ter uma ideia da cifra, é o equivalente a 6 vezes o valor pago pelo YouTube, corresponde a 320 Mega-Senas acumuladas e renderia R$ 35.000.000 por mês caso aplicado na poupança… E o mais impressionante é que o Twitter recusou a oferta de compra.

Enfim, voltando à mudança de plataforma citada, com tantas mensagens sendo trafegadas, o Twitter necessitava de uma reengenharia urgente. Sendo assim, eles aderiram a um novo mecanismo de busca feito em Java, a plataforma mais utilizada e democrática do mercado, considerada por muitos especialistas o “estado da arte” pela sua arquitetura e concepção. Por ser gratuita e open-source, Java permite um crescimento em escala dos sistemas desenvolvidos à altura do exigido pelo microblog, e está em constante desenvolvimento pela comunidade. Além do Twitter, outros adeptos de Java são o Google, IBM, Oracle, a maioria dos Internet Bankings… e também o Grupo Máquina.

Desde 2003 a Máquina vem investindo em sua plataforma de desenvolvimento toda orientada a Java, antecipando a principal escolha das empresas e dos profissionais da atualidade. E se depender da opção do mercado, essa arquitetura tem tudo para garantir o crescimento e qualidade esperados pelos mais exigentes clientes que o Grupo possui.

Anúncios

É Show!

                       

Por Daniela Belli

Pelo segundo ano consecutivo, a Máquina é a responsável pela assessoria nacional do maior evento de moda, música e beleza da América Latina: o Monange Dream Fashion Tour. Com o objetivo de aproximar o grande público do glamouroso – e restrito – mundo das passarelas internacionais, a Hypermarcas (detentora da marca Monange), a Mega Models (uma das principais agências de modelos do Brasil) e a TV Globo, são responsáveis por reunir um time estrelado por modelos que desfilam sempre na companhia de uma banda consagrada no cenário da música nacional.

No ano passado, o agito ficou por conta da banda mineira Jota Quest e, este ano, a trilha sonora é da banda Capital Inicial. É claro que um evento dessa magnitude atrai a imprensa das mais variadas editorias e mídias: jornais, revistas, sites, blogs, TVs; todos querem participar e assistir ao grande show. E é aí que o trabalho da assessoria de imprensa exerce papel fundamental.

Na primeira etapa deste ano que aconteceu dia 29 de março, realizamos uma coletiva de imprensa na cidade de Curitiba, a primeira a receber o evento. Convidamos jornalistas de São Paulo e dos principais veículos de outros estados (focando as cidades por onde o MDFT vai passar). Reunimos 18 jornalistas, organizamos as passagens aéreas, a hospedagem e os transfers nos hoteis. Chegando ao Expo Trade (palco do espetáculo), recebemos a imprensa e demos todo o auxílio também aos veículos locais (convidados pela assessoria regional, que trabalha em parceria com a equipe de atendimento da Máquina). Ao todo, tivemos 42 jornalistas.

À noite, voltamos ao Expo Trade, desta vez,  para conferirmos o evento. Credenciamos, orientamos e auxiliamos 73 jornalistas, entre fotógrafos, blogueiros, editores e repórteres. Estávamos com uma equipe de seis profissionais da Máquina, incluindo a MVox, que é a responsável pela captação das imagens das 12 etapas do MDFT. Depois de editados, os vídeos são disponibilizados no Youtube e divulgados pelo Twitter e Facebook oficiais do MDFT.

A atuação da equipe de comunicação nos eventos em geral é de extrema importância, pois o cliente e os jornalistas dependem da nossa atuação para que tudo seja um sucesso. Disponibilidade é primordial para passarmos confiança ao cliente e termos o respeito da imprensa, já que eles se apoiam no nosso trabalho. Fácil não é, mas a alegria que dá no final, quando você vê que tudo deu certo e que todos ficaram satisfeitos é indescritível! Nem o cansaço é capaz de dar lugar à satisfação do dever cumprido! E pensar que esta foi só a primeira de outras 11 que virão…

Até o grand finale, dia 3 de setembro, aqui em São Paulo!