Endeavor realiza workshop sobre métricas nas mídias sociais

 

Por Patrícia Barão

 

Recentemente, foi realizado o Workshop Endeavor sobre Métricas nas Mídias Sociais, em São Paulo, com o objetivo de explorar alguns conceitos e ferramentas de mídias sociais que podem ser usadas para melhorar a comunicação, aproximar-se do consumidor e gerar mais vendas.

O palestrante Gustavo Arjones, sócio e CTO da Socialmetrix, abordou questões como: as mudanças na comunicação e as dificuldades das empresas, as principais plataformas sociais e seus usos, e ferramentas para fazer benchmark com a concorrência e medir as ações das empresas.

O conselho número um de Arjones foi: “Se a empresa cria um canal, ela TEM que estar preparada para interagir”. É preciso construir um planejamento de canais digitais baseado na dinâmica já estabelecida para as redes sociais existentes. O Twitter, por exemplo, funciona melhor como SAC. O Facebook é mais perene, é possível fazer um planejamento de comunicação elaborado.

Os perfis corporativos devem ter muito cuidado ao estruturar seus canais para tirar dúvidas e responder reclamações dos clientes. Respostas rápidas, dar atenção ao cliente e, acima de tudo, promover melhorias no atendimento e prestação de serviços são atribuições valiosas. A apropriação das marcas nas redes sociais pelos internautas faz com que um problema apontado pelo cliente sirva de alerta e opinião para muitos potenciais novos clientes.

No momento em que a empresa possui seus canais oficiais, é importante monitorar Buzz, métricas de relevância dos perfis e influência na rede. Para facilitar o trabalho das áreas de marketing, foram sugeridas algumas ferramentas de mercado:

Análise das métricas no Twitter – http://tweetstats.com/, http://twitalyzer.com/, http://tweetreach.com/

Análise de métricas no Facebook – Facebook Insights, Social Bakers

Relevância e influência – http://www.peerindex.net/, http://klout.com/hom

Para entender o Buzz – http://www.socialmention.com/, http://blogsearch.google.com/

Geração Y do Brasil ganha evento exclusivo voltado para cultura e negócios da chamada “Geração da Internet”

 

Créditos: Patrícia Nogueira

 

Por Giannedo Farinelli e Camilla Scavone

Durante os dias 18, 19 e 20 de julho foi realizada no Pavilhão da Bienal, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo, a Expo Y, maior festival de cultura e negócios da Geração Y do Brasil. Cerca de três mil pessoas se dividiram entre as arenas para acompanhar debates e bate papos, além de aproveitarem estandes de patrocinadores para interagir com outros participantes, se divertir com games online e até disputar uma partida de pebolim. Para relaxar entre uma palestra e outra, uma área de descompressão foi montada, misturando conforto e facilidade para que os frequentadores pudessem trocar suas experiências e contatos.

Idealizada por Bob Wollheim, a Expo Y teve como palestrantes figuras influenciadoras da Geração Y, como PC Siqueira, famoso videolooger e VJ da MTV. Especialistas nos assuntos comportamento e gerações também tiveram seu espaço, caso de Luiz Algarra, consultor em inovação sistêmica, que em sua apresentação convidou as pessoas a fazerem um exercício de futurologia para imaginar como seria a empresa ideal para a Geração Y.

Todos os debates passavam e tinham como base o Gen Y, mas foi impossível não fazer comparações com a Geração X e os Baby Boomers (respectivamente, pais e avós da Geração Y), além de fazer projeções sobre as próximas gerações. Empreendedorismo também foi assunto no festival. Em um Game Show com especialistas sobre o assunto, participantes aprenderam quais os elementos essenciais para uma apresentação ser bem sucedida. “Como vender a sua ideia?”, “Como fazer o seu negócio dar certo?” e “Como gerir a sua própria empresa e enfrentar as dificuldades de ter uma equipe com pessoas de diversas gerações?” foram algumas das questões abordadas.

Localizada no centro do evento, a Arena Y possibilitou ao público uma visão ampla para valorizar o principal objetivo do encontro: grandes discussões e poucas palestras, uma vez que a nova geração acredita que a melhor forma de adquirir conhecimento é na troca de ideias e experiências. Foi aqui que figuras influenciadoras das redes sociais aprofundaram o conhecimento do público como @biagranja, @NairBello, @interney, @EricMessa e @rosana. “A decisão hoje é outra: não é se eu vou ser público ou privado; é se vou ser eu ou um personagem”, afirmou a tuiteira multimídia @rosana (Rosana Hermann).

Na Arena Itaú, planejamento financeiro foi o assunto chave. Economistas e especialistas em educação financeira davam dicas aos jovens de como fazer o dinheiro render e como aplicar exatamente na sua ideia com segurança. Segundo Martin C. Iglesias, gerente de educação para investidores do Itaú, “planejamento financeiro é desfrutar o presente e se preparar para o futuro”.

O palco das discussões ficou por conta da Arena Visa, apresentado pelos co-curadores como um ambiente para estimular a participação dos presentes, o aprendizado coletivo e a troca de experiências. O tema “Crowdsourcing”, levado pelo pessoal da Campus Party, foi um dos que mais teve sucesso. Ao debater o relacionamento com as marcas, Roberto Calderon, sócio diretor da Future Lab, foi convicto, “a própria Geração Y vai começar a ditar o que quer receber realmente. O filtro está na pessoa e não no marketing”, destacou.

Um dos atrativos da feira foi o Vivo Pass, integração do espaço com redes sociais através de etiquetas eletrônicas RFID. A Telefônica também incentivou o aumento do relacionamento entre os participantes, por meio de um telão touch screen que com as informações de cadastro no evento e interesse nos assuntos, cruzava os dados para avaliar as pessoas que tinham afinidade e propor um encontro pessoal durante o evento no Café Telefônica.